CA Empossamento 2020Três Administradores Executivos da Empresa Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique tomaram posse, na manhã do dia 28 de Julho do presente ano, na sequência da renovação dos seus Mandatos ocorrida a 23 de Julho, por mais 4 anos.

Trata-se do Eng. Agostinho Langa Jr., Dr. Joaquim Zucule e Eng. Anísio Lopes Bainha.

A Cerimónia de tomada de posse ocorreu no Edifício do Conselho de Administração do CFM e foi presidida pela Presidente do IGEPE, Órgão responsável pela gestão e coordenação do sector empresarial do Estado.

Passers 2020Em cumprimento do seu plano Estratégico 2018-2020, a Empresa Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM) adquiriu, recentemente, novas máquinas modernas para a manutenção das Linhas Férreas dos sistemas Centro e Sul do país, cuja cerimónia de inauguração teve lugar no dia 10 de Julho corrente e foi presidida pelo Ministro dos Transportes e Comunicações, Janfar Abdulai e testemunhada pelos Membros do Conselho de Administração, Imprensa e trabalhadores da Empresa.

LOCOMOTIVA PAUL KRUGER 1895A Empresa Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique celebra hoje, 125 anos. O Caminho de Ferro, símbolo incontornável de mudança e progresso, chegou a Moçambique em 1895.

Foi a 8 de Julho 1895, que iniciou oficialmente a primeira ligação ferroviária entre Lourenço Marques (actual Maputo) e o Transvaal (actual Pretória) na República da África do Sul. A inauguração oficial da Linha férrea Lourenço Marques – Transval foi um acontecimento extraordinário para a época e marcou o início de uma nova era, pois permitiu que um dos grandes avanços tecnológicos da Revolução Industrial – o caminho de ferro – chegasse a Moçambique.

Museu do CFM 2020O Museu do CFM celebra hoje, 11 de Junho de 2020, 5 anos desde da sua inuguração.

O Museu do CFM, incumbido de preservar o vasto legado do CFM, foi inaugurado a 11 de Junho de 2015 pelo Presidente da República e, desde então, tem recebido visitas de diversos extractos sociais, entre nacionais e estrangeiros, à semelhança da Estação Central de Maputo, uma das mais belas do Mundo.

Nestes 5 anos, o Museu teve 124 mil visitantes, incluindo-se, neste perfil, visitas individuais e institucionais: turistas, estudantes, representantes de chancelarias diplomáticas, visitas de Estado ou de serviço, políticos e parlamentares, instituições de Estado, instituições privadas, Igrejas, entre outras associações sócio-culturais.

Esta instituição de democratização da cultura tem uma exposição permanente, que consta de uma linha de tempo cronológica, desde as expedições de obras públicas, em 1877, que está na origem da sua implementação, até ao presente. A ligação ferroviária entre a então cidade de Lourenço-Marques e o Transvaal, a 8 de Julho de 1895 é um dos marcos desta cronologia, que passa por diversos acontecimentos relevantes, como a inauguração de diversas linhas férreas e portos, entre outras obras, que articulam o sistema ferro-portuário moçambicano.

O CFM marcou, igualmente, o país no âmbito da logística do transporte, quer através do transporte aéreo, de que é pioneiro (a fundação da DETA em 1936), ou da Camionagem Automóvel, em 1930. No desporto está na origem de decisivos equipamentos desportivos no país. O Clube Ferroviário de Moçambique é fundado em 1924. A nível cultural destaca-se o seu papel de Mecenas na cultura nacional.

O acervo do Museu do CFM é constituído por material circulante motor e rebocado (locomotivas a vapor e a diesel, carruagens, vagões, furgões e zorras); equipamentos de via e obras; equipamento de comunicação, informação e sinalização; equipamento de estação, escritório, tarifários, bilheteira; equipamentos de protecção e segurança; modelismo e maquetismo ferro-portuário; espólio documental e mais.

Museu CFM 2020O Museu desenvolve programas de acção pedagógica (educativa) e percursos temáticos, visitas guiadas, atelier ou oficinas, eventos corporativos e sociais que pretendem estimular a interacção com os objectos museológico e a interpretação da exposição e dos seus objectivos, bem como estabelecer uma relação efectiva entre o público e o património.

Para além da sua exposição permanente, o Museu tem três exposições temporárias (“As 10 mais belas Estações do Mundo”; “Samora Machel e os Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique” e “O dia a dia da estação.”) e promove ainda uma exposição itinerante (“O Museu vai às Escolas).

O Museu do CFM previa inaugurar o seu primeiro Núcleo Museológico na Cidade da Beira na celebração destes primeiros 5 anos. Este local foi escolhido devido ao seu significado histórico no processo de criação e implantação do sistema ferro-portuário em Moçambique. Contudo, devido à pandemia do Covid 19, a materialização deste projecto ficou adiada para quando se normalizar a situação epidemiológica do país.

 

Mais sobre o Museu do CFM

Porto da Beira 2020O porto da Beira recebeu, a 13 de Maio, o MSC Gina, no que constituiu um marco histórico por se tratar do maior navio que alguma vez demandou esta importante infraestrutura portuária.

Ao escalar o Porto da Beira, o navio Panamax MSC Gina (com 260 metros e uma  capacidade de 4056 TEU), contribui para o crescimento e desenvolvimento dos negócios marítimos nesta região de África.