CFM - Caminhos de Ferro de Moçambique

Reunião de Directores 2017 MTCO Governo elogia os CFM e exorta mais esforço no transporte de passageiros urbanos

A empresa Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM) é, para o Governo moçambicano, estratégica e se destaca dentro da economia nacional pelo seu desempenho que marca diferença na balança de pagamentos e reflecte-se de forma objectiva na vida dos moçambicanos.

O reconhecimento foi anunciado no ambito do encerramento do do XXI Conselho de Directores, no dia 28 de Abril de 2017, em Maputo, pelo Ministro dos Transports e Comunicações (MTC), Eng. Carlos Mesquita.

Para corresponder às espectativas do Governo e do mercado que se mostra cada vez mais exigente e competitivo, Carlos Mesquita disse que a empresa CFM deve reinventar-se o que implica uma pujança e audácia necessárias para despertar a iniciativa criadora, de modo que, com critérios objectivos, Moçambique possa ombrear de igual para igual como os concorrentes mais directos.

“Insistimos que devemos olhar cada vez mais para dentro e para o recurso mais precioso que são os recursos humanos e investir nele”, disse o Ministro.

Reuniãode Directores 2017 PCAO Presidente do Conselho de Administração (PCA) dos CFM, Eng. Miguel José Matabel tinha referido, na abertura que, apesar das adversidades económico-financeiras que caracterizaram e impactaram o ambiente de negócios para o nosso País em 2016, os CFM alcançaram resultados líquidos positivos antes dos impostos alcançando o montante de 2,29 mil milhões de Meticais, contra 1.89 mil milhões de Meticais atingidos no exercício de 2015, representando um crescimento na ordem de 21%, facto que manteve algum optimismo.

Para o Eng. Miguel Matabel, os CFM procuram responder os desafios actuais tendo em vista ao aumento da capacidade produtiva da empresa nos seus variados sectores, de modo a adequá-la ao actual mercado global que exige serviços modernos, eficientes e, acima de tudo, que inspirem segurança.

Segundo ele, junta-se a esta situação o facto de o ano de 2016 ter sido caracterizado por uma conjuntura internacional pouco favorável, como reflexo da crise financeira que vem afectando a economia mundial, de forma geral, e impactando no sector de logística de transportes, em particular. Apontou como exemplo, a situação do Carvão, um dos maiores commodities transportados pela nossa ferrovia e manuseado nos nossos Portos, que mostra um cenário de um futuro pouco animador por conta da tendência crescente mundial em reduzir a poluição ambiental e controlar o aquecimento Global, procurando soluções energéticas mais viáveis.

Para o PCA dos CFM, o quadro dos desafios e resultados apresentado, revela o compromisso e desafio da empresa em prosseguir e fazer com que os CFM continuem a registar índices de crescimento, de modo a que possa contribuir para o desenvolvimento do nosso País.

Para isso, Eng. Matabel disse que é preciso desenvolver, cada vez mais, algumas práticas de postura assentes em 5 pilares, designadamente: o bom senso de planificação de tarefas; o desenvolvimento do Espírito de Trabalho em equipa; o rigor da qualidade na execução das tarefas; a observância dos princípios das regras de Segurança e protecção ambiental e; uma boa Gestão de Recursos Humanos, financeiros e materiais.

“Conduzindo a gestão da nossa empresa sob esses princípios, tenho a certeza de que estaremos a tomar a postura correcta e, assim, continuarmos a materialização das propostas dos projectos que traçamos, incluindo os de cariz social, como foram os casos: a) da Contribuição para o Fundo de Desenvolvimento e Comunicações; b) do Apoio para edificação de infra-estruturas sociais no povoado de Namawa, Província de Cabo Delgado; c) do Patrocínio do Moçambola edição 2016 e dos Clubes Ferroviários; d) do Patrocínio de Moçambique em progresso, programa televisivo que mostra as diferentes faces de desenvolvimento do nosso País, só para citar alguns exemplos”, sublinhou o Eng. Matabel.

Contamos com a disponibilidade da força de trabalho dos CFM para superar os desafios pela frente como ferroviários estão habituados, o PCA dos CFM disse, para um melhor aproveitamento dos recursos humanos, foi decidido avançar, com carácter urgente, com o processo de actualização do Quadro de Pessoal, cuja implementação deverá acontecer já nos próximos meses.

Os CFM contam a localização geoestratégica dos portos nossos e das nossas linhas férreas em relação aos Países do hinterland, com um factor a aproveitar.
“Vamos todos, então, nos comprometer por uma gestão focalizada no aumento da produção e produtividade!”, exortou o PCA, Eng. Matabel.

Reunião de Directores 2017O XXI Conselho de Directores da empresa CFM foi aberto pelo Secretário Permanente do Ministério dos Transportes e Comunicações, Pedro Igreja e contou a participação dos membros do Conselho da Administração, do Conselho Fiscal, entre outros Gestores Séniores, Assessores, Consultores e Técnicos Superiores.

O encontro de dois dias que serviu para identificação, análise e debate de questões relacionadas à nossa actividade, tendo como objectivo a definição, aperfeiçoamento e adopção de novas práticas e estratégias de gestão dos CFM, com vista a melhorar a produção e produtividade, teve os seguintes pontos:

i) O Balanço e a Avaliação do desempenho produtivo, económico e financeiro do CFM no exercício económico de 2016; ii) A Análise de execução dos Projectos de Investimentos propostos em 2016 e perspectivas para o presente ano; iii) A Análise do desempenho económico e financeiro das empresas onde o CFM tem participações, no exercício de 2016; iv) Discussão sobre o Modelo tarifário do CFM versus Impacto na gestão de clientes nos 3 Corredores.

O Conselho teve ainda uma audição pormenorizada das Actividades do Gabinete jurídico, bem como do ponto de situação do processo de actualização do nosso Quadro de Pessoal e terminou com uma Palestra subordinada ao tema: Gestão de Tempo.