CFM - Caminhos de Ferro de Moçambique

pcaDecorreu, no passado dia 25 de Novembro do corrente ano, na cidade da Beira, a Cerimónia de encerramento de 3 cursos de Formação Profissional, promovidos pela Empresa Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM).

Para presidir a cerimónia, e acompanhado de alguns quadros séniores da empresa, deslocou-se àquela cidade, o Presidente do Conselho de Administração, Dr. Victor Pedro Gomes, para quem o processo de formação profissional no CFM é uma tradição que permite dotar os quadros da empresa de ferramentas técnico-científicas adequadas para fazer face aos inúmeros desafios que os vários momentos impõem.

No seu discurso, o PCA do CFM reconheceu que as tarefas que se esperam aos recém-formados são muito duras, devido, fundamentalmente, às condições adversas e desafiantes a que estarão sujeitos. Contudo, "acreditamos que, por terem conscientemente assumido o sacrifício ao longo de todo o período de duração da vossa formação, saberão exercer, com grande responsabilidade, profissionalismo, dedicação e zelo, estas profissões que escolheram".

Nestes cursos foram formados 146 trabalhadores, que irão engrandecer à força do trabalho da empresa naquela região do País. São, especificamente, 66 Maquinistas de Locomotivas "B", 30 Revisores de Material Circulante e 37 Capatazes de Via "C", num investimento que custou 70 milhões de meticais dos cofres da empresa.

fotofamiliaRecorde-se que o Corredor da Beira é ponto de entrada e saídas de diversas mercadorias para os Países da zona de influência de Moçambique. É neste sentido que o CFM tem a responsabilidade de garantir o manuseamento e transporte dessas mercadorias de e para esses países, com segurança e eficiência para, por um lado, garantir receitas para a sustentabilidade da empresa e, por outro, angariar divisas para a melhoria da Balança de Pagamentos do País, para além da enorme responsabilidade social da empresa, que é de assegurar o transporte diário de passageiros da periferia e do campo para cidade e vice-versa, como contributo para o desenvolvimento equilibrado de Moçambique.

Victor Gomes encerrou a cerimónia exortando aos trabalhadores do CFM, em geral, à prática das normas de Higiene e Segurança no Trabalho, normas essas que irão garantir o sucesso desejado. "Saibam que esta questão de Higiene e Segurança no Trabalho constitui o topo das nossas preocupações, como Conselho de Administração. Estamos a caminhar para TOLERÂNCIA ZERO a todos infractores das regras de segurança". Asseverou o PCA do CFM.